sábado, 21 de janeiro de 2017

Grande Belém registra 24 mortes com características de execução em 24h

Assassinado no bairro do Guamá, taxista de 23 anos foi uma das vítimas de onda de assassinatos ocorrida em Belém e região metropolitana. (Foto: Reprodução/TV Liberal)
Assassinado no bairro do Guamá, taxista de 23 anos foi uma das vítimas de onda de assassinatos ocorrida em Belém e região metropolitana. (Foto: Reprodução/TV Liberal)
O Governo do Estado do Pará confirmou o registro de 24 homicídios ocorridos em 16 bairros de Belém entre a tarde de sexta-feira (20) e a manhã deste sábado (21). Segundo o diretor do Instituto Médico Legal (IML), Orlando Salgado, todas as mortes têm características de execução. Além dessas, outras três mortes foram registradas, sendo dois atropelamentos e um espancamento.
A onda de assassinatos começou após a morte de um policial militar na manhã de sexta em um tiroteio no bairro da Cabanagem, em Belém. Rafael da Silva Costa tinha 29 anos e era soldado da Ronda Tática Metropolitana (Rotam), que atuava na perseguição a suspeitos de assalto. Durante troca de tiros com os suspeitos, Rafael foi atingido na cabeça e chegou a ser levado para o Hospital Metropolitano, em Ananindeua, mas não resistiu aos ferimentos. Em nota, o Governo do Estado admitiu a possibilidade de uma relação entre a morte do soldado e os crimes de execução.
Uma das vítimas era um feirante que foi executado na rua da Olaria, no bairro do Guamá. Segundo testemunhas, ele foi atingido por vários tiros que foram disparados do interior de um carro em movimento. Duas horas antes, Flávio Oliveira Maciel, de 23 anos, foi executado na rua dos Profetas. Ele estava na porta da casa dos pais, conversando com amigos quando foi atingido pelos disparos. A família conta que ele trabalhava dirigindo o táxi do pai. Assustada, não quis gravar entrevista. As outras vítimas ainda não foram identificadas.
Durante a manhã deste sábado, o governador Simão Jatene convocou gestores da área de segurança para uma reunião em sua casa, onde determinou rigorosa apuração de todos os crimes, com envolvimento direto das corregedorias da Polícia Civil e Polícia Militar, para esclarecer os fatos, identificar e punir os responsáveis.
O Governo do Estado informou em nota que instalou na tarde de sexta um gabinete permanente de situação, envolvendo todos os órgãos da área para acompanhar e monitorar os acontecimentos.
No início da tarde de sexta, diversos relatos em redes sociais indicavam a ocorrência de ações criminosas na região metropolitana de Belém. Em Belém foram registrados crimes nos bairros da Cabanagem, Benguí, Sacramenta, Comércio e no Entrocamento. Em Ananindeua, vítimas foram baleadas nos bairros da Guanabara, Coqueiro e Curuçambá. Uma morte também foi registrada em Marituba. Até o momento nenhum suspeito foi preso.
IML
O diretor Orlando Salgado afirmou que o IML precisou de um esquema especial de trabalho para lidar com a demanda de corpos nas últimas 24 horas. "Quando se percebeu essa situação (na sexta) se montou primeiro uma força-tarefa de peritos nos locais de crime, reforçamos a remoção e agora (sábado) nós estamos com três médicos na sala de necrópsia, chegando mais três. Suspendemos a folga da equipe de auxiliares técnicos de necrópsia, já estão aqui, e estamos trabalhando para liberar todos estes corpos ainda hoje", disse Salgado.
Até o fim da manhã o IML havia confirmado a identificação de uma vítima: Flávio Oliveira Maciel, de 23 anos. As equipes aguardam a chegada de familiares que vão auxiliar no reconhecimento de outras vítimas.

Fonte: G1 PA
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário