quarta-feira, 31 de maio de 2017

Operador de empilhadeira mata o suposto assassino do irmão e é absolvido no Tribunal do Júri

Imagem
O operador de empilhadeira Diego Bruno Filgueira, de 28 anos, foi absolvido do assassinato de Denilson Alexandre Almeida Sousa, ocorrido num campo de futebol às 14h30 do dia 19 de dezembro de 2010 no Assentamento Independência, zona rural de Mossoró-RN.
“A sociedade tolera vingança”, explica o promotor criminal de Mossoró, Italo Moreira Martins, que atuou na acusação do réu no Tribunal do Júri Popular realizado na manhã desta quarta-feira, 31, no Fórum Municipal Desembargador Silveira Martins.
Os trabalhos do júri foram presididos pelo juiz Vagnos Kelly Figueiredo de Medeiros. Foram abertos de 8 horas, como sorteio do Conselho de Sentença, formado por 4 mulheres e 3 homens. Os debates foram em torno do crime de vingança.
O promotor de Justiça Ítalo Moreira Martins mostrou, aos jurados, que Diego Bruno matou Denilson Alexandre, porque este teria participado (foi julgado e absolvido) do assassinato de seu irmão Francisco José Diogo Filgueira, no dia 14 de setembro de 1999.
“A vítima foi julgada duas vezes, uma pelo judiciário, que não encontrou prova alguma para condenar, nem o MP, outra pelo réu, que agindo como justiceiro, resolveu fazer justiça com as próprias mãos, segundo seus critérios, e condenou à vítima à morte, e, claro, sem possibilidade de recurso”, destaca o promotor de Justiça Ítalo Moreira Martins.
Ainda no júri desta quarta-feira, 31, o promotor Ítalo Moreira Martins pediu a condenação do réu por homicídio privilegiado, pois não havia provas no processo que comprovasse que o crime tivesse ocorrido por vingança e menos ainda sem chances de defesa da vítima.
Já o advogado de defesa, João Saldanha, segurou a tese de legítima defesa. Explicou que seu cliente matou movido por uma forte emoção, muito embora Diego Bruno tenha tido o irmão assassinado em 1999 e vingou a morte dele 11 anos depois.
Outro detalhe que chamou a atenção, é que o operador de empilhadeira Diego Bruno não compareceu ao julgamento. “É um direito que o assiste”, explica o juiz Vagnos Kelly Figueiredo de Medeiros, que após os debates, leu a sentença de absolvição.

Fonte: O Câmera

Nenhum comentário:

Postar um comentário